Domingo, 23 de Dezembro de 2007

NATAL!

 

 

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
NATAL!
 
 
 
 
No Natal, à mesa, também há lugar para o SONHO MAIS DOCE
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 20:39
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 2 de Dezembro de 2007

Ofertas de Natal

 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
Se me cansei e fiquei farta
Alguma coisa se passou! O mundo encheu e eu envelheci!
Se troco as partes pelo todo, não gosto…Se troco o todo pelas partes, isso não significa, porém, que desisti!
Procuro, porque gosto de gostar das pessoas, mesmo sem pensar em ti!
Dentro de um Natal vago e sem cheiro
Ofereço-te, afinal, o que sempre te ofereci
 
As minhas laranjas…
o que tenho!!!!
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 12:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 17 de Julho de 2007

Silêncios!

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
 
Silêncios!
 
 
Não há um silêncio. Há silêncios!
 
Há silêncios serenos e silêncios agitados. Há os que sabem a morangos. Há os que cheiram a canela, e os que provocam náuseas. Há o silêncio que se guarda antes de dormir e o que precede a madrugada. Os silêncios difíceis e os que pedem esmola…Os silêncios sucedem-se.
Aproxima-se o silêncio de partir e o silêncio da ausência.
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 23:02
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Domingo, 17 de Junho de 2007

Constelações!

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
Constelações!
 
 
Peixes e Búzios à nossa volta – Constelações!
peixes...peixes...búzios...peixes...búzios..
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 16:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 1 de Junho de 2007

Moldava, Olhos Rasos de Água

Os portões e as laranjas de Moldava...

 

 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
 
Moldava, Olhos Rasos de Água
 
 
Moldava voltava, dia após dia, àquela casa, guardada por altos muros e portões fortes, oxidados pela ressalga e cheiro a maresia, que poisava, também, nos becos, na calçada, nas plantas, nas suas coisas, dando a tudo o que era dela um perfume que tão bem conhecia.
Depois, já dentro em casa, Moldava antes mesmo de a noite se fazer anunciar, tomava conta da vida que faltava cumprir: a loiça era lavada, o chão varrido, as roupas arrumadas, as camas desfeitas, os livros empilhados, os últimos contactos feitos…tudo era posto no seu lugar! Cada coisa encontrava, sempre, o seu lugar.
Quase desfeita pelo fim do dia, com as mãos ásperas e os olhos quebrados, deixava-se penetrar pela água do banho. Nessa altura sentia uma grande limpeza dentro de si, como se estivesse, também, a lavar a alma. Havia na casa, agora, um grande sossego. O dia estava pronto. O silêncio crescia com o tempo pela noite dentro e neste silêncio implacável, Moldava olhava os tijolos, a cal, a madeira, os cortinados, as mobílias, o cadeirão onde costumava ler, a cesta das flores…como se a relação que estabelecia entre todas estas coisas fosse a expressão de uma ordem que ultrapassava a casa.
Parecia que as coisas a olhavam, a compreendiam e ela procurava nelas o centro da atenção. Criava-se, a cada instante, uma cumplicidade e unidade entre ela e o que a rodeava, e ela pertencia a essa unidade, obstinadamente.
Era assim que ela, um dia atrás do outro, quando ia dormir, depois de ter recolhido os sacos das laranjas, encontrava no sono uma infinita liberdade, que ela tanto precisava para viver.
Lá fora! Lá fora, os animais uivavam e digladiavam-se, porque estavam vivos e despertos e o mar, esse, bailava, em gestos, soltando a sua maresia que poisava nas suas coisas.
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 20:07
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 21 de Maio de 2007

Daqui ao fim!

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
 
Daqui ao fim!
o fim....
Daqui ao fim são dois tempos! Um tempo para ainda ver, outro para deixar de ver, um tempo para tentar querer alguma coisa, outro para já não querer nada, um para pensar que ainda vale a pena viver, outro para pensar que afinal já não vale a pena viver, que melhor mesmo é o fim…O fim está para além do que vejo, é um diálogo ténue e doce com os anjos que nunca nos deixam no nada e nos conduzem para a leveza do infinito invisível!
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 23:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 20 de Maio de 2007

Os gestos!

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
 
Os gestos!
cores da Primavera...
Falamos com os nossos gestos! Falamos muito mais com os gestos do que propriamente com as palavras! Mas são tão importantes os gestos e as palavras!
Há gestos que exprimem a alegria de viver, como há gestos que exprimem a tristeza, há gestos delicados que gostamos de dar e receber, há gestos atabalhoados, gestos que sendo imperfeitos são gestos de simpatia e de cuidado, há gestos que mesmo precipitados levam consigo tudo o que temos no nosso interior, há gestos que exprimem dor, há gestos feitos de harmonia, gestos que põe a música no ar, gestos que põe o mundo a girar, gestos simples que damos e recebemos, como se tivessem o perfume e as cores da Primavera. Há gestos que exprimem amor, como há gestos bruscos, gestos de brutalidade que magoam as próprias mãos, há gestos que exprimem o que de feio há em nós, há gestos que se sentem mesmo sem existirem, há gestos que reservamos, mesmo sabendo que eles são importantes para quebrar a solidão, como há gestos tão simples que nos podem dar prazer…há tantos gestos!
Há tantos gestos perfeitos que deviamos exprimir, porque os gestos nunca se gastam.
 Gesto de prazer...
 
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 17:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 18 de Maio de 2007

“Mal-estar de um Anjo”

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
 
“Mal-estar de um Anjo”
Gostava de ser um anjo! Um anjo de verdade! Mas não sei sê-lo! Esqueço-me das “asas”, com muita frequência, porque ocupo a minha cabeça com futilidades e afazeres inglórios ou egoístas. Mas sei que tenho dois Anjos! Um que cuida de mim em vida, que faz tudo o que é possível para que suporte e melhore os meus dias, desde que me levanto até à noitinha, quando me apresto para dormir. É nessa altura, então, que o outro Anjo se coloca de alerta e a partir do momento em que adormeço, põe-se a pensar sobre o dia em que me levará a fazer uma viagem, como é meu desejo, para descansar. Nunca me esqueço deles, ou melhor lembro-me sempre deles, mas porque têm tanto para fazer em relação a outras pessoas, sinto que, por vezes, se “chateiam” comigo por não gostarem que espere deles milagres, por os “super-valorizar”, criando-lhes “mal-estar”.
“Mal-Estar de um Anjo”, de Clarice Lispector, faz-me pensar que “Cada um tem o Anjo que merece”!
“Mal-estar de um anjo” de Clarice Lispector
 
 
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 20:18
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 28 de Abril de 2007

“Jogo” Laranja

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
 "Jogo"
“Jogo” Laranja
 
 

Foi o fundo em tons alaranjados, desta imagem, que primeiro me prendeu! Depois, detive-me nas manchas ou borrões! Deixei-me atrair, afinal, pelo todo, tons e formas, por uma realidade abstracta, fora das coisas perceptíveis do mundo visível. Uma realidade, supostamente, ambígua e destituída de estrutura, mas que para mim me pareceu, no imediato, clara, provavelmente em nada consentânea com a identidade que lhe atribuiu quem a criou.
Num lapso de tempo, voltei a centrar-me nas manchas e fiz, quase sem dar por isso, uma espécie de exercício ou “jogo”, cujos resultados anotei, antes mesmo de me propor contá-los.
O que vi, então: indubitavelmente, as manchas pareceram-me duas aves, ou em concreto, duas galinhas, desalentadas, colocadas frente uma à outra.
A galinha à direita apresenta a cabeça descaída para o lado oposto ao da minha visão; as penas do peito estão soltas, mas emaranhadas, pelo que se seguram no seu lugar de origem. A cauda parece perfeita, ou seja, parece não ter sofrido qualquer tipo de “agressão”. A pata esquerda foi cortada, enquanto a pata direita se mantém visivelmente sã.
A galinha à esquerda apresenta-se prostrada, caída por terra, cobrindo com o próprio corpo as suas patas. Nem a cauda, nem a cabeça são visíveis. Resta-lhe, apenas, o pescoço. À sua volta há um conjunto disperso de penas. Dir-se-ia, que nestas condições, degradantes, vinham de uma “briga de galinhas”, fruto de um desentendimento que, aparentemente, resultou num clarão, que as envolve.
Mas, pode, para além desta visão, dar-se o caso de ambas as figuras “pertencerem” a um único ser, que está deitado, antes de, por uma razão qualquer, a cabeça, com cornos – lado direito, se ter desconectado do corpo – lado esquerdo. O clarão é, sempre, uma realidade.
Proponho-me repetir este exercício ou “jogo”, daqui a algumas semanas, e quem sabe, não veja no seu conjunto, arrojadamente, um céu aberto à hora do pôr-do-sol, e as asas de um magnânimo avião, envolto em nuvens?
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 22:21
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Abril de 2007

Cores da Primavera: o Verde e o Cor-de-Rosa.

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
 
Cores da Primavera: o Verde e o Cor-de-Rosa.
As cores que a natureza nos oferece....
Por intuição, ou por uma espécie de compreensão universal, existem cores que associamos às estações do ano. À Primavera associamos, normalmente, o verde, o azul, o amarelo, o cor-de-rosa e o branco. No entanto, cada cor tem, creio, individualmente, uma conexão de significados, pela forma como a percebemos. Digamos que, para além da compreensão universal, cada um de nós vê, sente e julga as cores de uma maneira muito pessoal.
As cores aparecem em todos os contextos possíveis e imaginários: na natureza, na arte, no vestuário, nos bens de consumo, na decoração, etc, e despertam em nós sentimentos muito distintos ou opostos, sentimentos positivos e sentimentos negativos. É, sobretudo, no vestuário que se enraíza ou percebe a relação da cor com os sentimentos, ou com o sentir.
Vestir verde na Primavera, é estar conectado com a essência da natureza, com o amor que devotamos a ela; é sinónimo de um estilo de vida ligado à sanidade; é ser jovem. É vestir a cor da fertilidade (na Primavera tudo germina e brota), a cor da esperança, da felicidade, é encanto e cortesia. Associar ao verde o cor-de-rosa é espalhar sentimentos positivos, é demonstrar amabilidade, é ser refinado. Cor-de-rosa, tom cálido “tipo Primavera”, sinónimo, igualmente, de encanto e cortesia.
As cores da Primavera são cores perfeitas para princesas, que além do mais, sabem que efeitos produzem as cores nos outros. Também, por isso, nem todas podemos ou sabemos ser princesas!
 
 
Nota1. Pelo que ficou dito, não admiro ou admito princípes vestidos de verde e cor-de-rosa.
Nota2: Guardo o laranja para o Outono.
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 16:56
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim

pesquisar

 

Janeiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimas Laranjas

NATAL!

Ofertas de Natal

Silêncios!

Constelações!

Moldava, Olhos Rasos de Á...

Daqui ao fim!

Os gestos!

“Mal-estar de um Anjo”

“Jogo” Laranja

Cores da Primavera: o Ver...

Cesto das Laranjas

Janeiro 2009

Julho 2008

Abril 2008

Dezembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Laranjas de Marca

cantar o mundo(27)

canto da natureza(4)

canto das letras(7)

canto das palavras(5)

canto dos contos(5)

contar o mundo(44)

letras e palavras(1)

rota das laranjas(10)

todas as tags

blogs SAPO

O Logótipo

Rapariga das Laranjas
2006 - Código

O Canto dos Blogs

An'arka

Azoriana Blog
Azoriana Blog


IDEIAS E IDEAIS
Ideias e Ideais


Ailaife Blog

Bioterra

Colcha de Retalhos

O Canto dos Prémios




Prémio - Blog «Ideias e Ideais» aprova e recomenda este blog

O Contador

MÚSICA

A Rota das Laranjas

subscrever feeds