Domingo, 24 de Junho de 2007

Hoje

 
 
 
 
 
CANtar   o   mundo
 
 
 
Hoje
 
 
O tempo como que abrandou o seu passo
Vai mais lento e pesado
Caiu uma névoa sobre o espaço
A erosão rasgou os seus contornos
Os gestos são lentos como a calmaria do Verão
Fugiram palavras
O vazio sugou as ideias
Está mais brando o mundo
Já não há só laranjas
Há mais frutos!
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 17:50
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 17 de Junho de 2007

Constelações!

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
Constelações!
 
 
Peixes e Búzios à nossa volta – Constelações!
peixes...peixes...búzios...peixes...búzios..
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 16:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 1 de Junho de 2007

Moldava, Olhos Rasos de Água

Os portões e as laranjas de Moldava...

 

 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
 
Moldava, Olhos Rasos de Água
 
 
Moldava voltava, dia após dia, àquela casa, guardada por altos muros e portões fortes, oxidados pela ressalga e cheiro a maresia, que poisava, também, nos becos, na calçada, nas plantas, nas suas coisas, dando a tudo o que era dela um perfume que tão bem conhecia.
Depois, já dentro em casa, Moldava antes mesmo de a noite se fazer anunciar, tomava conta da vida que faltava cumprir: a loiça era lavada, o chão varrido, as roupas arrumadas, as camas desfeitas, os livros empilhados, os últimos contactos feitos…tudo era posto no seu lugar! Cada coisa encontrava, sempre, o seu lugar.
Quase desfeita pelo fim do dia, com as mãos ásperas e os olhos quebrados, deixava-se penetrar pela água do banho. Nessa altura sentia uma grande limpeza dentro de si, como se estivesse, também, a lavar a alma. Havia na casa, agora, um grande sossego. O dia estava pronto. O silêncio crescia com o tempo pela noite dentro e neste silêncio implacável, Moldava olhava os tijolos, a cal, a madeira, os cortinados, as mobílias, o cadeirão onde costumava ler, a cesta das flores…como se a relação que estabelecia entre todas estas coisas fosse a expressão de uma ordem que ultrapassava a casa.
Parecia que as coisas a olhavam, a compreendiam e ela procurava nelas o centro da atenção. Criava-se, a cada instante, uma cumplicidade e unidade entre ela e o que a rodeava, e ela pertencia a essa unidade, obstinadamente.
Era assim que ela, um dia atrás do outro, quando ia dormir, depois de ter recolhido os sacos das laranjas, encontrava no sono uma infinita liberdade, que ela tanto precisava para viver.
Lá fora! Lá fora, os animais uivavam e digladiavam-se, porque estavam vivos e despertos e o mar, esse, bailava, em gestos, soltando a sua maresia que poisava nas suas coisas.
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 20:07
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim

pesquisar

 

Janeiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimas Laranjas

É Aqui Que Vivo Agora!

Mares!

Só se vê bem com o coraçã...

Laranjas podres

NATAL!

Ofertas de Natal

Melhores pensadores e Mel...

Silêncios!

Mudo Silêncio

Hoje

Cesto das Laranjas

Janeiro 2009

Julho 2008

Abril 2008

Dezembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Laranjas de Marca

cantar o mundo(27)

canto da natureza(4)

canto das letras(7)

canto das palavras(5)

canto dos contos(5)

contar o mundo(44)

letras e palavras(1)

rota das laranjas(10)

todas as tags

blogs SAPO

O Logótipo

Rapariga das Laranjas
2006 - Código

O Canto dos Blogs

An'arka

Azoriana Blog
Azoriana Blog


IDEIAS E IDEAIS
Ideias e Ideais


Ailaife Blog

Bioterra

Colcha de Retalhos

O Canto dos Prémios




Prémio - Blog «Ideias e Ideais» aprova e recomenda este blog

O Contador

MÚSICA

A Rota das Laranjas

subscrever feeds