Sexta-feira, 30 de Março de 2007

Sobre a Cultura da Laranja!

 

 
 
 
 
 
RotA   dAS   LaranJaS
 
 
 

"A larangeira tem no fructo lindo

A côr que tinha Daphane nos cabellos".

Camões

 

 

Laranjeira em flor

Nota Histórica Sobre a Cultura da Larangeira Doce Em Portugal e nos Açores
AGRICULTURA, VOL III - (Pág 354 a 358)

 

 

Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 21:09
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 29 de Março de 2007

...

 

 
 
 
 
 
CANtar   o   mundo
 
 
 

 

Domingo
Domingo, dia de morrer...
Hoje é Domingo
Dia de rezar
E rezo
Rezo p’ra que Deus me conduza
Como se fosse uma musa
Alma gémea das letras
Inspiradora de um poeta
Que cante as minhas memórias
Em suas poesias
De que foram feitas minhas noites e meus dias
Lamentos
Solidão
Pensamentos
Sonhos em vão
Vontades de mulher
Desejos de ser
Perfeição em cada acto
Vontade de morrer.
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 00:08
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 24 de Março de 2007

...

 

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
Eu sei, mas não devia
( de Marina Colasanti)

aqui a cor desaparece...

 

Eu sei, mas não devia,
 
Porque aqui tudo é mentira e farsa
Tudo é seco palha, ardendo sem lume
Porque aqui só se vê o que é mostrado
Ninguém sonha o mal que vai guardado
Porque aqui há tanta imperfeição
O mundo que é o meu é roubado, quebrando a unidade que há em mim
Porque aqui a mentira faz a verdade
Eu sei, mas não devia
 
 “A gente se acostuma a coisas demais para não sofrer”, OU sofre demais por não se acostumar a elas?
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 23:27
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 22 de Março de 2007

...

 
 
 
 
 
CANtar   o   mundo
 
 
 

Cruzo o ESPAÇO

só e muda...

 

Cruzo o espaço
Cagarras !?
Levam nos bicos estrelas mortas
Vazias de luz
Nas pétalas está escrito
Num tom morno e cinza: sem retorno

 

Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 22:28
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 18 de Março de 2007

MAR SONHO

 

 
 
 
 
 
CANtar   o   mundo
 
 
 

 

 

Mar em Sonhos

 

Vi mar em sonhos
 
Revolto
Transparente
Como se tivesse acabado de ser gerado
Dormia nas suas ondas
Repousava nas suas nuvens de espuma
E se despertei
A vontade era nenhuma
Afectuoso
Tocou a minha alma
Nele, tive uma vida pura e una
 
Fico quieta
Deixo-me ficar
Se nasci do mar
É nele que quero morar
 
Se acontecer chegar um amigo
Que entre
Há uma nuvem de espuma
À sua espera
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 20:26
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Março de 2007

“PRENDA (S) DE AMOR” e Laranjas

 

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 

 

Nunca me lembro de ter tido receio de crescer, certamente porque não pensava nisso enquanto andava a crescer. Na minha infância era tudo pacato, suave, morno, na medida certa, sem sobressaltos, e por isso o meu processo de desenvolvimento não passou por aquela fase de resistência obstinada aos pais, que presumo existe, algures nela, nem pelo receio de crescer, porque o gosto de viver não dava tempo para medos, a não ser o medo dos papões da beira da estrada, quando vínhamos da escola, pezinhos no chão, já noite escuro.
Não se falava em ter ou não ter sentido para a vida, provavelmente não se sabia sequer isso o que era mas, sem darmos por isso, também, ele desenvolvia-se lentamente com os nossos corpos e espíritos. Tudo era um verdadeiro descanso!
Depois! Depois, uma adversidade aqui, uma adversidade ali, mas que era sustentada por uma espécie de esperança no futuro: “quando eu for grande”. Mas um dia o futuro deixou de ser futuro para ser presente. Foi quando a natureza problemática da vida deixou de estar no futuro para estar no presente, foi quando, para não ser vencida por ela, foi necessário uma entrega à fuga e à fantasia.
Farta de ser adulta, de viver antecipando o futuro, um dia destes olhei a prateleira de um quarto de criança e vi um mundo de brinquedos, de pequeninas “prendas de amor” e não as pude deixar de pegar.
Brinquei durante uma tarde inteira, com as casinhas: olhei-as de todos os lados, escolhi as fachadas, os adereços, escolhi e pedalei o carro, apanhei sol, fugi ao lobo mau, fui princesa e fada num castelo cor-de-rosa, fui a um café sozinha e quando olhei o relógio, já depois de ter trepado a uma laranjeira de brincadeira, atirei-me ao chão para me sentir suja para depois me lavar e sentir o prazer de estar lavada! Na hora do banho tive receio de ir com a água que escorria pelo ralo, de tão pequenina que eu era… Mas à meia-noite, antes de começar um novo dia, arrumei tudo para voltar a ser adulta, sem vontade, e voltei a ter medo.
“CRIANÇA de fronte sem nuvens
E olhos cheios de sonhos e encantos,
Apesar do tempo veloz
E de estarmos separados por meia vida, eu e tu,
O teu amoroso sorriso certamente acolherá
A prenda de amor de um conto de fadas.
 
C.L. Dogson (Lewis Carroll), em Through the Looking Glass
 
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 22:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 10 de Março de 2007

As Coisas Feitas Na Medida Certa

 

 

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 
 
 
A memória ocupa um lugar importante como depositária dos acontecimentos, lembranças, recordações e como organizadora das significações. Através dela vêm à tona acontecimentos vividos noutros tempos, lugares e espaços.
Através desta "actualização", procuramos atribuir um sentido ao presente, preferindo, no caso, lugar nenhum à cozinha!
a cozinha...
E ela, sem mesmo ter dado por isso, num dado momento, fatigou-se, fartou-se: As pessoas ocupavam duas mesas! Era preciso inventar as ementas: perna de porco assada; cozido à portuguesa; rojões com inhame e migas; feijoada; bolos do forno; pargo assado, bolas de carne; grelhados, folares, filhós; tartes de maça; compotas…depois aquela história de lavar tachos, panelas, alguidares, assadeiras, tigelas de loiça de figueira, panelas de ferro, grelhadores…assumia-se como fazer a mesma coisa o tempo todo, com esforço. Tempos vividos, lugares lembrados com seus tons, sons e odores!
Viveram-se ali tempos de uma “violência doce”.
Mesmo sem dar por isso arranjou maneira de suportar aquela situação, enquanto aguardava um futuro distante e sempre remetido para depois.
Será que ainda o procura?
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 15:26
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Março de 2007

Poetas

 

 CANtar   o   mundo

 

 

 

Os poetas que conheço
 
São filhos da areia pura
 
Escrevem!
 
E o que escrevem
 
Na areia, fica só enquanto dura
 
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 22:13
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 3 de Março de 2007

Mário de Sá-Carneiro

 CANtar   o   mundo

 

 

 
Entendo-te poeta!
Como se hoje fosse o amigo que não tiveste
 
Entendo-te poeta!
Por esse teu desejo de estética
Por te identificares com a arte
Que na Vida
Em mim e em ti fez parte
 
Entendo-te poeta!
Por te teres fixado no sonho e no sono
Nessa que é a minha vontade
De penetrar nas trevas
No labirinto que somos
Prevalência obsessiva do eu
P’la relação crepúsculo com o outro
Que não és tu nem eu
 
Entendo-te poeta!
P’la tua acuidade sensorial
P’la cor que em ti e em mim
Foi pronuncio da afectividade
Das carícias que a noite matou
Nesse ideal inacessível que para ambos o amor desalentou
 
Entendo-te poeta!
Tu Estátua Falsa sem ser e sem ter
Eu Estátua Mendiga
Porque nenhum de nós se adaptou à vida
Do Alto veio a queda e a fadiga
 
Entendo-te poeta!
Porque mesmo vivendo mortos
Da morte temos saudade
Anseios de fuga
No meio de tantas vontades
 
Entendo-te Poeta!
Por teres sido o Quase
Por eu ser o Quase Nada
 
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 22:31
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 1 de Março de 2007

Amar quem não se conhece…

 

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 

 

Amo acima de todas as pessoas as que não conheço!
Perfeita no seu ser, atrás de uma mesa, desaparece de repente, porque tem de sofrer ausente. A vida foi ingrata com ela! É sempre assim! Sofre mais quem já mostra sofrer.
Nasci a gostar do desconhecido, a senti-lo!
Hoje sinto a dor de um desconhecido!
Enquanto sentia, escrevendo, vi um homem morto e outro aos urros, a arder entre labaredas que subiam e saìam furiosas pelas janelas. Lamentei a morte do primeiro, um desconhecido, esperando que o outro defumasse, ficasse nu à janela, depois de ter perdido toda a sua animalidade. A este fui capaz, mesmo sem querer, de o “castigar”, porque o conhecia.
Amar e perdoar ao desconhecido, àquele que passa pelas ruas calado, escondido, ignorado, é mais fácil, do que amar e perdoar ao conhecido. Não sei amar o (s) Próximo (s) da mesma maneira, como Deus gostaria. Não sei, porque não sou perfeita!
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 23:51
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim

pesquisar

 

Janeiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimas Laranjas

É Aqui Que Vivo Agora!

Mares!

Só se vê bem com o coraçã...

Laranjas podres

NATAL!

Ofertas de Natal

Melhores pensadores e Mel...

Silêncios!

Mudo Silêncio

Hoje

Cesto das Laranjas

Janeiro 2009

Julho 2008

Abril 2008

Dezembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Laranjas de Marca

cantar o mundo(27)

canto da natureza(4)

canto das letras(7)

canto das palavras(5)

canto dos contos(5)

contar o mundo(44)

letras e palavras(1)

rota das laranjas(10)

todas as tags

blogs SAPO

O Logótipo

Rapariga das Laranjas
2006 - Código

O Canto dos Blogs

An'arka

Azoriana Blog
Azoriana Blog


IDEIAS E IDEAIS
Ideias e Ideais


Ailaife Blog

Bioterra

Colcha de Retalhos

O Canto dos Prémios




Prémio - Blog «Ideias e Ideais» aprova e recomenda este blog

O Contador

MÚSICA

A Rota das Laranjas

subscrever feeds