Quarta-feira, 14 de Março de 2007

“PRENDA (S) DE AMOR” e Laranjas

 

 
 
 
 
 
CONtar   o   mundo
 
 
 

 

Nunca me lembro de ter tido receio de crescer, certamente porque não pensava nisso enquanto andava a crescer. Na minha infância era tudo pacato, suave, morno, na medida certa, sem sobressaltos, e por isso o meu processo de desenvolvimento não passou por aquela fase de resistência obstinada aos pais, que presumo existe, algures nela, nem pelo receio de crescer, porque o gosto de viver não dava tempo para medos, a não ser o medo dos papões da beira da estrada, quando vínhamos da escola, pezinhos no chão, já noite escuro.
Não se falava em ter ou não ter sentido para a vida, provavelmente não se sabia sequer isso o que era mas, sem darmos por isso, também, ele desenvolvia-se lentamente com os nossos corpos e espíritos. Tudo era um verdadeiro descanso!
Depois! Depois, uma adversidade aqui, uma adversidade ali, mas que era sustentada por uma espécie de esperança no futuro: “quando eu for grande”. Mas um dia o futuro deixou de ser futuro para ser presente. Foi quando a natureza problemática da vida deixou de estar no futuro para estar no presente, foi quando, para não ser vencida por ela, foi necessário uma entrega à fuga e à fantasia.
Farta de ser adulta, de viver antecipando o futuro, um dia destes olhei a prateleira de um quarto de criança e vi um mundo de brinquedos, de pequeninas “prendas de amor” e não as pude deixar de pegar.
Brinquei durante uma tarde inteira, com as casinhas: olhei-as de todos os lados, escolhi as fachadas, os adereços, escolhi e pedalei o carro, apanhei sol, fugi ao lobo mau, fui princesa e fada num castelo cor-de-rosa, fui a um café sozinha e quando olhei o relógio, já depois de ter trepado a uma laranjeira de brincadeira, atirei-me ao chão para me sentir suja para depois me lavar e sentir o prazer de estar lavada! Na hora do banho tive receio de ir com a água que escorria pelo ralo, de tão pequenina que eu era… Mas à meia-noite, antes de começar um novo dia, arrumei tudo para voltar a ser adulta, sem vontade, e voltei a ter medo.
“CRIANÇA de fronte sem nuvens
E olhos cheios de sonhos e encantos,
Apesar do tempo veloz
E de estarmos separados por meia vida, eu e tu,
O teu amoroso sorriso certamente acolherá
A prenda de amor de um conto de fadas.
 
C.L. Dogson (Lewis Carroll), em Through the Looking Glass
 
Laranjas de Marca:
publicado por raparigadaslaranjas às 22:51
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De artesã a 15 de Março de 2007 às 18:33
Mais uma vez gostei da visita que fiz, à Rapariga das Laranjas, espero que nos continue a oferecer laranjas tão boas. ARTESÃ

Comentar post

mais sobre mim

pesquisar

 

Janeiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimas Laranjas

É Aqui Que Vivo Agora!

Mares!

Só se vê bem com o coraçã...

Laranjas podres

NATAL!

Ofertas de Natal

Melhores pensadores e Mel...

Silêncios!

Mudo Silêncio

Hoje

Cesto das Laranjas

Janeiro 2009

Julho 2008

Abril 2008

Dezembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Laranjas de Marca

cantar o mundo(27)

canto da natureza(4)

canto das letras(7)

canto das palavras(5)

canto dos contos(5)

contar o mundo(44)

letras e palavras(1)

rota das laranjas(10)

todas as tags

blogs SAPO

O Logótipo

Rapariga das Laranjas
2006 - Código

O Canto dos Blogs

An'arka

Azoriana Blog
Azoriana Blog


IDEIAS E IDEAIS
Ideias e Ideais


Ailaife Blog

Bioterra

Colcha de Retalhos

O Canto dos Prémios




Prémio - Blog «Ideias e Ideais» aprova e recomenda este blog

O Contador

MÚSICA

A Rota das Laranjas

subscrever feeds